Páginas

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Dona Anelzina, Jacuipense a 70 anos!

A imagem pode conter: texto
Dona Anelzina, nossa Rainha
Tenho certeza que para ela tudo passou muito rápido, apesar de terem sido até então sete décadas. Anelzina dos Santos Rios, popularmente conhecida como Dona Anelzina é a forasteira mais jacuipense que conheço. Casou-se com José Vilaronga Rios no dia 09 de janeiro de 1947, no povoado de Bonsucesso/Mairi e no dia 12/01/2017 mudou-se pra cá. Em um de seus cordéis, ela descreve sua primeira impressão do lugar e narra muitos fatos que vivenciou. E foram muitos.
Ela viu nosso pacato chão passar de Vila a Distrito e de Distrito a Município. Participou ativamente do desenvolvimento do local, sendo comerciante, costureira e funcionária pública. Coordenou as escolas por muito tempo e ao lado de seu falecido marido, Zé Vilaronga, participou da política também. Muitos foram os prefeitos de Jacobina e até mesmo deputados que se sentaram à sua mesa para almoçar e depois tecerem conversas sobre progresso e também as importantes amenidades. Para quem não sabe, foi Dona Anelzina quem pediu ao então prefeito de Jacobina, Gilberto Miranda, para trazer um colégio para São José, fato que se concretizou em 1976, com a fundação do GICOSAJE, atual Colégio Municipal de São José. Neste dia, além de Zé Vilaronga, Pró Netinha também testemunhou o pedido.
A imagem pode conter: 19 pessoas
Dona Anelzina e sua descendência
Comerciante, durante muito tempo foi dona de um dos únicos armarinhos da cidade. Dava cursos de corte e costura e em se falando de vida religiosa, sempre presente nos eventos e durante muito tempo serviu como ministra da eucaristia. Qual é o católico que nunca a viu sentada no mesmo lugar: na ponta do corredor do segundo banco da fileira da direita? Sempre incentivou seus filhos ao estudo e trabalho e este incentivo ainda hoje lega aos seus netos.
Dona Anelzina é uma figura única, uma representante histórica e cultural de São José do Jacuípe. Exímia contadora de histórias, tem uma mente incrivelmente lúcida aos seus 93 anos, coisa que falta a muitos idosos mais novos. Sua descendência é vasta: são três filhos, dez netos e catorze bisnetos. Some-se a isso dois filhos, quatro netos e uma bisneta adotivos. Madrinha de muita gente, Dona Anelzina é uma pessoa respeitada e admirada por toda a cidade. Inclusive este neto dela que vos escreve e por ela chamado de Pimbo. Caçula dos homens, quinto entre todos, tenho por ela uma admiração sem cálculo e uma amor sem preço. Tenho certeza que muitos unem suas vozes comigo em dizer que São José do Jacuípe se orgulha de tê-la recebido como filha.
Não é brincadeira não. Setenta anos! Não sei se devo parabenizar Dona Anelzina, pois eu acho que quem ganhou o presente foi São José do Jacuípe. Mas ainda assim, parabéns, vó. A senhora é nosso maior tesouro.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

A festa que iríamos fazer

A imagem pode conter: 1 pessoa
Ginnethon (Rochedo) Rios
Faz dias que estou imaginando como ia ser esta festa. Ia ser grande, bonita e cheia de gente dando risada. Com certeza haveria um culto de gratidão a Deus pelos teus noventa anos. Belas músicas, comida pra caramba e aquela conversa boa onde o senhor ia fazer todo mundo rir. Com certeza em algum momento do culto o senhor ia pegar o microfone e citar alguma passagem da bíblia, certamente um Salmo. Com toda certeza Salmo 128:1-3, que o senhor tanto gostava de falar ao contemplar a família que formou: "Bem-aventurado aquele que teme ao SENHOR e busca andar em seus caminhos! Comerás do fruto do teu trabalho, serás feliz e próspero. Tua esposa será como videira frutífera em tua casa; teus filhos serão como brotos de oliveira ao redor de tua mesa".
Ia ser tão bonito, todos reunidos ali: onze filhos com seus cônjuges, vinte e quatro netos e seus cônjuges, onze bisnetos, com mais chegando. Imagino os teus irmãos com os seus, os amigos velhos e novos. Olha quanta gente que te admira ainda hoje chegando para te desejar feliz aniversário. Todas aquelas histórias repetidas e tão boas de ouvir. Fotos intermináveis e tantas felicitações que a gente ia varar a noite fazendo aquela bagunça, aquela resenha que só essa raça dos Rios sabe fazer.
Em algum momento o senhor ia parar e ficar afastado, pensando na vida, na sua companheira já a muito ausente, ia ficar olhando pra nós com aqueles olhos claros e rasos d´água agradecendo a Deus por tudo e todos. Olhos que eram mistério, guarida, acalento, porto. Eu ia abraçar o senhor e ouvir mais uma vez o teu sentimento de gratidão e a tua admiração por tudo que construiu. Ia ser uma festa linda.
Mas não vai ter festa.
Hoje, quando o senhor faria noventa anos eu não posso te dar esse abraço e nem ouvir tua gratidão ou teus sábios conselhos. Não vai haver reunião de família com toda a nossa animação. Hoje só vai ter saudade e teremos que "compreender a marcha e ir tocando em frente". Hoje, no dia em que faríamos uma festa, não temos o aniversariante. Temos que nos contentar com a lembrança dos olhos brilhando de felicidade, temos que guardar cada recordação com bastante carinho, temos que reavivar o sentimento de gratidão, pra ver se essa falta tão grande fica um pouquinho menor e dor vai dar uma volta.
Tenho certeza que falo por todos: Feliz aniversário, Rochedo. Nós te amamos.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

CPF sujo e os bodes do Governador




Resultado de imagem para CPF sujo

Eu gosto de observar construções quando estou viajando, principalmente quando se trata de obras públicas, voltadas ao bem estar da população. Nestas ocasiões, ao ver ginásios, estradas, praças e outras edificações, não deixo de sentir inveja, pois raramente tais benefícios chegam à minha cidade. Em algumas conversas, já me perguntaram o motivo de São José do Jacuípe não receber obras e a resposta que dou é a mesma que a prefeita já havia dado em praça pública: “o municípo está com o CPF sujo”.
Para quem não entendeu a metáfora usada pela gestora, traduzi-la-ei (com verborragia e tudo): o município está inadimplente. Trocando em miúdos: não está pagando as contas que tem. Por isso a descabida colocação, mas o quadro é justamente esse, se a cidade fosse uma pessoa física, estaria com o nome no SCPC, no SERASA, na lista de velhacos da cantina, etc. Seria cômico se não fosse gravemente trágico.

Resultado de imagem para bodeGrande parte dessa situação se deve à falta de pagamento do parcelamento dos rombos da Caixa de Previdência, órgão espoliado por diversas gestões, cujos débitos foram negociados e empurrados com a barriga por quase todos, inclusive pela gestão atual que mesmo diante do projeto de parcelamento apresentado pela atual diretora do setor, não honrou o compromisso aprovado pela câmara. Daí não tem CPF que fique limpo e os convênios param de vir, as verbas param de chegar e o "municípo" permanece no marasmo de sempre. Alguns inocentes úteis já andaram dizendo que o importante é  que se faz com recursos próprios e não por meio de convênios. "Que burros, dá zero pra eles". Manter um alinhamento com as esferas estaduais e federais para receber benefícios para o município é algo de extrema importância, pois poucas são as cidades com arrecadação suficiente para se manter e realizar obras.

Mas e as obras feitas? Ginásio do colégio, calçamentos, populares, farmácia popular, etc? Todas foram heranças da gestão anterior, conseguidas mediante projetos e convênios. De iniciativa própria da gestão atual (que felizmente se finda em poucos dias), temos o muro do cemitério, feito na marra e as duas praças em Itatiaia (muito bonitas e bem feitas, por sinal, parabéns), mas se há algo mais, me perdoem, pois desconheço e dispenso os desabafos críticos de qualquer que seja o assecla da turma o compromisso.
O que incomoda em toda essa situação, além da inadimplência que trava o desenvolvimento do município, é o comodismo com a situação. Não adianta de nada falar na frente do governador a respeito da situação fiscal em que se encontra a cidade e não dar um prego numa barra de sabão para resolver. Seria natural tentar a limpar o "CPF sujo" para mostrar o mínimo de compromisso com o povo. Triste. O novo gestor não herdará obra nenhuma e nem convênio dessa gestão pífia, que já passou da hora de acabar. Mas para a turma do compromisso está tudo bem, mesmo quando o barco siga afundando, pois o importante é que o governador tenha recebido os bodes.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Dedurismo e mimimi




Ao tomar posse no dia 02 de janeiro de 2013, o Governo Cidade Unida é Cidade Feliz trouxe uma proposta de campanha que dizia “Compromisso com o Povo”. Sendo uma estreante em cargos públicos, a prefeita representava para seus eleitores uma nova forma de administração, não fosse seu padrinho político, o popular Tino, que a pinçou do anonimato para a vida pública e que no fim das contas fez do governo Verinha um verdadeiro “museu de grandes novidades”.
Não é necessário explicitar aqui a falta de capacidade da mesma e de muitos de sua equipe de governo, pois logo nos primeiros meses o lema de campanha foi trocado pelo seu antônimo e essa falta de compromisso se seguiu nos anos posteriores e tudo isso pôde ser observado a olho nu. A marca registrada dessa gestão desastrosa, porém, não foram as perseguições e o recorde de ações judiciais e nem também a folha de pagamento mal assombrada, mas o dedurismo cheio de MIMIMI. A falta de compromisso estendeu-se a muitos membros do alto, médio, baixo e até de nenhum escalão desse governo. Sempre que cobrados por alguma irregularidade ou sendo vítimas de algum protesto, não se dignavam nem em dar uma desculpa, desculpar-se nem pensar, mas desde o gabinete aos puxa-sacos de passeio usavam do subterfúgio de apontar os erros da gestão anterior.
Não trata-se de uma defesa ao governo 2009-2012, que teve sua cota de erros sim, mas sejamos adultos e sensatos: “quem fez seus angus que coma”. Se errou, faça o favor de ao menos inventar uma desculpa e não simplesmente berrar em Caps Lock nas redes sociais que “a gestão passada fez isso, isso e isso”, “reclame da gestão passada que fez assim e assado”. Vida pública é um constante engolir de sapos e quem tem medo de dar a cara a tapa, que use máscara ou não saia de casa. O vereador Joaquim Vilaronga Rios sabiamente disse que “este governo não serve nem para se defender” e isso é o mais puro reflexo da verdade. Sem pedidos de desculpa e nem justificativas até para os escândalos de corrupção denunciados na Câmara de Vereadores e Policia Federal, a turma do compromisso se limita a apontar os erros do antigo gestor. No entanto, essa atitude imatura, para não chamar de infantil não foi capaz de escamotear suas tantas falhas ao passar quatro anos apontando os erros alheios.

Com poucas engrenagens girando adequadamente, das quais merece destaque a Secretaria de Assistência Social, que trabalhou muito bem, a máquina do Governo Verinha se despede como entrou: soltando fumaça, fazendo barulho e funcionando errado. O governo fez o sucessor, do qual espera-se que troque peças e parafusos defeituosos e este com toda certeza, muito terá que culpar a atual gestão pela casa bagunçada que irá encontrar. Diga-se de passagem e para finalizar: o susto decerto será grande quando os novos ocupantes olharem debaixo dos tapetes.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Parceria de Banco do Brasil e Correios termina dia 02

Resultado de imagem para banco do brasil e correios
BB e Correios, fim da parceria
Após a desistência do Banco do Brasil em manter a parceria com o Banco Postal, os Correios lançaram edital em outubro para a escolha do novo parceiro para os próximos 10 anos. Contudo, encerrado o prazo no último dia 11, nenhuma instituição bancária apresentou proposta. O edital fixou valor mínimo de R$ 1,2 bilhão para as ofertas dos interessados. Quantia esta dividida em suas parcelas, sendo R$ 600 milhões em dezembro de 2016 e a segunda, de igual valor, no sexto ano de contrato.
O contrato atual termina no próximo dia 02, último dia em que o Banco Postal funcionará em parceria com o BB. Desde hoje (24), já não é mais possível sacar ou depositar cheques em nenhuma unidade dos Correios e no último dia de contrato, todas as operações bancárias serão automaticamente desativadas às 17:00, horário de Brasília. A partir da segunda-feira (05), os clientes do banco postal deverão se dirigir às agências do Banco do Brasil para realizar suas operações bancárias e quem desejar pagar suas contas de água, luz, telefone e outras, terá como opções as Casas Lotéricas e postos do Bradesco Expresso. As agências dos Correios voltarão a operar somente os serviços postais.
No último dia 21, o presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, classificou como muito alto o valor mínimo estipulado pelos Correios e afirmou que o BB tem sim, interesse em manter a parceria com o Banco Postal, "desde que o preço seja adequado à sua capacidade de gerar resultado".Ainda segundo os Correios, permanece a negociação de um contrato temporário com vigência de até seis meses, prorrogáveis por mais seis, para a manutenção do serviço, enquanto a entidade Postal avalia o projeto de continuidade da prestação de serviços bancários.

Redação: Pablo Rios
Foto: Divulgação

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

ONU de Nova York recebe evento com poetas brasileiros


Fonte: Galinha Pulando

O encontro é promovido pela Associação Internacional de Poetas, capitaneada pela poetisa e advogada Delasnieve Daspet e vai acontecer na sede das Nações Unidas, em Nova York, de 29 de novembro a 04 de dezembro de 2016 com atividades culturais, recitais de poesia, palestras relacionadas à paz como ciência e cultura da paz, meio ambiente e sustentabilidade, gênero e violência, além de conferências, debates, exposições e lançamentos de livros. Dentre os artistas convidados estão o jornalista e escritor baiano Valdeck Almeida de Jesus, que fará recital de poemas e lançará o livro "Poesias ao Vento: vinte poemas de amor e uma crônica desesperada", com textos em português e espanhol, traduzido pela venezuelana Gladys Mendía e revisado pelo poeta colombiano Julio Bustos. Ilustrado pelo grafiteiro baiano Zezé Olukemi, a obra literária relata uma paixão iniciada através de cartas, depois evoluiu para redes sociais, telefone, mas jamais se concretizou. Valdeck será homenageado com uma medalha de honra ao mérito, pela Associação de Poetas e ONU, durante o evento. O jornalista baiano ainda vai fazer uma palestra com o tema "A resiliência das minorias no Brasil", abordando LGBTS, ciganos, indígenas e afrodescendentes. Os demais artistas participantes da solenidade também serão condecorados.

Valdeck Almeida de Jesus é poeta, jornalista, escritor, ex-presidente do Colegiado Setorial de Literatura da Bahia (2012-2014), Conselheiro do Plano Municipal do Livro, da Leitura e da Biblioteca de Salvador-BA (PMLLB), ativista cultural e dos direitos humanos, militante da poesia, cujos caminhos são traçados nos saraus na periferia de Salvador e em outros ares. Dentre os grupos e coletivos de poesia na capital baiana, Valdeck é membro-fundador do Projeto Fala Escritor e da União Baiana de Escritores - UBESC, bem como frequenta com assiduidade o Sarau da Onça, Sarau Enegrescência, Sarau do Gheto, Sarau do JACA - Juventude Ativista de Cajazeiras, Sarau da Paz, Sarau do Cabrito, Sarau da Praça, Sarau Prosa e Poesia, Casa de Barro, Sarau da Câmara Municipal, Sarau do Gato Preto, Sarau das 7 Praças, Sarau da Laje, CEPA - Círculo de Estudos, Pensamento e Ação, dentre outros.

Ainda participam da solenidade a atriz carioca Rogéria Gomes, que vai palestrar sobre "9 Mulheres e o Teatro Brasileiro" e "Pensando a Cultura no Século XXI", o pós doutor cabo-verdiano Antonio Andrade Lopes Tavares, com o tema "A Cultura da Paz da Multipolaridade", além de uma grande quantidade de artistas renomados como a violonista Ana El Achkar,Grupo Roda de Bamba – Maculelê E Roda de Samba, violonista Marcelo Loureiro, Marcelo Fernandes e Ana Gaborim (voz e violão), Ismael Machado, Airton Reis,Aurineide de Alencar, Dorothy De Brito Steill,Terezinha Manczak, Betty Barcellos, Zélia Balbina Puri, Werner Daspet, Marisa Cajado, dentre outros.



Programação prevista

BRAZILIAN PEACE, LITERATURE, SUSTAINABILITY AND ARTS
Abertura – Dia 30.11;2016
(duração das palestras máximo 20 minutos com 05 de discussão podendo chegar ao máximo de 30 minutos)
.
BRAZILIAN PEACE, LITERATURE, SUSTAINABILITY AND ARTS
Realização: Associação Internacional de Poetas
Organização – Griffos Eventos e Poli Produções
Data: 30/11 a 03/12/2016
Local: ONU – NY
Apoio Cultural:
Cercle Universel des Ambassadeurs de la Paix – Brasil; IFLAC -The International Forum for the Literature and Culture of Peace – Brasil; - Word Philosophical Forum – Brasil; - MSP International; - BEA – Brazilian Endowment for the Arts
Montagem: 28 e 29 de novembro de 2016
Envolvendo: literatura, a paz como ciência, paz e cultura da paz, meio-ambiente, sustentabilidade, gênero e violência, com conferências, debates, lançamento de livros e exposições.
.
Programação sujeita a modificação.
(Duração das palestras - máximo 20 minutos com 05 de discussão podendo chegar ao máximo de 30 minutos)
.
Abertura – Dia 30/11
.
Abertura e Apresentação - - Delasnieve Miranda Daspet de Souza
Hino Nacional – Marcelo Fernandes e Ana Lucia Magorim
Marcelo Fernandes e Ana Lucia Magorim - The fragile Peace
Palestra
- Delasnieve Daspet - Campo Grande – Mato Grosso do Sul - Brasil
e Prof. Domicio Coutinho – USA
- Paz como Ciência, paz e cultura da paz
Palestra
Dr. Antonio Andrade Lopes Tavares - Cabo Verde –África
- A cultura da paz da multipolaridade
Palestra
Dr. Igor Kondrashin - Athenas - Grecia e Dr. Sergey Ivaneev ( Rússia )
- Da ilegalidade de Guerras na Terra .
Palestra
Yara Maura Silva – USA
- Cuidando do nosso planeta
Palestra
Nilza Aparecida Hoehne Rigo – Campinas – São Paulo – Brasil
- O lixo no planeta terra
.
Lançamento de livros
.
Yara Maura da Silva
- Caring for Our Planet (USA)
Delasnieve Daspet
- O Som da Lágrima, Pazeando e Poemas de Louvor (MS ) e GLOBAL PEACE SCIENCE da Global Harmony Association – Russia
Sérgio Antonio Meneghetti
- Paz no Mundo - Volume I, - Paz no Mundo - Volume II, Vida de Água e A Reconstrução do Universo
- Rogeria Gomes
- 9 Mulheres do Teatro Brasileiro
Zélia Balbina Ferreira
– Em Cantos da Paz
Valdeck Almeida de Jesus
- Poesias ao Vento: vinte poemas de amor e uma crônica desesperada (ilustração Zezé Olukemi)
Ana El Achkar
- Resliência, ferramenta para uma educação de qualidade
Dyandreia Valverde Portugal
- Coletânea Literária Sem Fronteiras pelo Mundo, Conversa Afiada; Coletânea A Arte de Ser Mulher.- Eduarda Mourão
João Pereira Correa Furtado
- Aquarela Africana
Ismael Machado
- Sonho e Pó
Ariadne Cantú
-
.
Apresentação Cultural:
Poetas e Poesias
Marcelo Fernandes e Ana Lucia Magorim

Dia 01.12.2016 - 13hs
Abertura e Apresentação - Delasnieve Miranda Daspet de Souza
Palestra
Cel Bombeiro Alcendina Candido Jardim – Belo Horizonte – Minas Gerais - Brasil
O Aleitamento Materno

Palestra
Dra. Neyla Mendes – Procuradora da Defensoria Pública em Mato Grosso do Sul - Brasil
Palestra
Dra. Ana El Achkar - Rio de Janeiro - RJ - Brasil
- Resiliência: a vida e suas ressignificações
Palestra
Dra. Ana Lara Camargo Castro – Procuradora de Justiça em Mato Grosso do Sul - Brasil
- A violência doméstica e os meios de erradica-la
Palestra
Valdeck Almeida de Jesus – Salvador – Bahia – Brasil
- A resiliência das minorias no Brasil
Palestra
Dyandreia Portugal
- A importância da divulgação globalizada da identidade cultural, como fomento para o intercâmbio
Palestra
Corneliu Casacu -
- Refugiados - O limite da resistência
Palestra
Dr. Igor Kondrashin e Dr. Ricaardoe Di Done - Grecia e Canadá
– Equiparação dos crimes contra a natureza como crimes contra a humanidade
Palestra
Gianni Barbacetto – Itália
Corrupção – Operação Mãos Limpas 

Apresentação Cultural 
Poetas e Poesias
Ismael Machado
Violonista Ana El Acker
Violonista Marcelo Fernandes

Dia 02.12.2016 - 13hs

Abertura e Apresentação - Delasnieve Miranda Daspet de Souza
.
Palestra
Dra.Ariadne Cantú - Procuradora de Justiça em Mato Grosso do Sul - Brasil
- A mulher – e o seu protagonismo no cenário internacional, e, em especial no Brasil
Palestra:
Tchello de Barros – Rio de Janeiro – Brasil
- Poéticas no Contexto Social
Palestra:
Nilton Braz Girardelli – Campo Grande – MS _ Brasil
- Solidiariedade pelo viés do Terceiro Setor
Palestra
Rogéria Gomes – Rio de Janeiro - Brasil
- Pensando a Cultura no Século XXI
Palestra
Sérgio Antonio Meneghetti - São Paulo - Brasil
- A Construção do Pensamento
Palestra
Anderson Guimarães Gerardi – Sorocaba – São Paulo – Brasil
- A Tecnologia na Educação
Palestra
Dra Rosangela Moro – Curitiba – Paraná - Brasil
- A resiliência da pessoa com deficiência no seu contexto
Outorga das medalhas e diplomas
.
.
APRESENTAÇÃO CULTURAL:
Poesia de encerramento com Vilma Cunha
Apresentação Cultural Final
Ana El Acker, Marcelo Loureiro, e Marcelo Fernandes e Ana Lucia Gaborim
.
.
Dia 03/12 -
19 hs00
Sarau
Fala de Delasnieve Daspet – Domicio Coutinho e Yara Maura da Silva
Apresentação Cultural - leitura de poemas - leitura de trecho de livros - musica, etc... no BEA – Brazilian Endowment for the Arts COM A PARTICIPAÇÃO DE TODOS OS ARTISTAS QUE ACOMPANHAM O GRUPO
.
ARTISTAS E POETAS:
.
Ana El Achkar – violão e voz
Marcelo Loureiro - violão
Marcelo Fernandes e Ana Gaborim - voz e violão
Ismael Machado
Airton Reis
Aurineide de Alencar
Valdeck de Almeida Jesus
Betty Barcellos
Zélia Balbina Puri
Werner Daspet
Else Dorotea Lopes
Nilze Monteiro Batista
João Furtado
Eduarda Murão
Vilma Duarte
Carla de Sà Morais
Vilma Monteiro Calvetto

Página do evento no Facebook: Aqui.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Terceira edição da Parada do Livro atrai público à praça Dois de Julho



Milhares de títulos foram dispostos em estandes conforme a área de conhecimentopostos em estandes conforme a área de conhecimento

por: Ana Esther Lopes

Quem passou nesta sexta-feira, 21, pela tradicional Praça Dois de Julho, no Campo Grande, entre as 9h e as 16h30, deparou-se pela 3ª edição da Parada do Livro (PL) 2016. A ação, que visa disseminar e incentivar a prática da leitura, faz parte das atividades comemorativas da Semana Nacional do Livro em Salvador.
Além da entrega de livros de forma gratuita, a PL promove outras atividades literárias abertas ao público. “Na Tenda dos Escritores reúnem-se poetas e escritores, para ler os próprios poemas, crônicas e contos. Este ano,  mais de 100 poetas se  inscreveram”, explica o jornalista Valdeck Almeida de Jesus, 50, que, desde 2014, trabalha na PL na área de comunicação e como coordenador da tenda.
“É importante haver esses encontros justamente porque estamos mudando de paradigmas. Estamos passando da era analógica para a digital”, pontua. Apesar da virtualidade que permeia cada circunstância do dia a dia, Valdeck diz  acreditar na eficácia do contato real entre as pessoas e o livro.  “Mas a gente percebe que o livro em papel e os encontros pessoais, ‘olho no olho’, funcionam muito bem”, conclui. 
Mais parceiros
É com esse pensamento que a Parada do Livro tem conquistado, a cada edição que passa, mais parceiros. “Nesta edição, estamos institucionalmente inseridos em três universidades. Estamos inclusos na programação da  Unifacs, Ucsal e Uneb”, relata a presidente do Conselho Diretivo do Plano Municipal, Lourdes de Fátima Santos.
A professora ainda versa  sobre a importância da escolha de um lugar democrático e acessível ao público. “Achamos que o espaço com mais pertencimento no imaginário do baiano é a praça. A praça é do baiano”, relata Lourdes de Fátima
Além das instituições citadas,  outras aderiram à causa do projeto e apoiam a Parada do Livro, a exemplo do Grupo A TARDE.
Para quem passa pelo Campo Grande todo dia, a surpresa foi muito bem recebida. “Acho bem legal essa ideia de divulgar a leitura para os jovens, distribuir livros gratuitamente”, relata Diego Rodrigues, 20, estudante do 3º ano do Colégio Estadual Odorico Tavares. Essa é a segunda vez que Diego participa do evento: “No ano passado, eu fiquei sabendo pela internet. Desta vez, soube quando  cheguei aqui”.
Já Eduarda Bruna Nascimento, 15, estudante do 1º ano do Colégio estadual Manoel Novais, acentua a importância da parada. “Acho muito bom, porque a taxa de pessoas que nunca leram ou compraram um livro é muito alta. A PL ajuda bastante porque torna a leitura mais acessível. Eu pretendo voltar nas outras edições”, avisa.
 O evento é uma realização do Plano Municipal do Livro, da Leitura e da Biblioteca (PMLLB), em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Secretaria Municipal de Educação (Smed), Fundação Gregório de Matos (FGM), Secretaria Municipal da Reparação  (Semur), Conselho Regional de Biblioteconomia (CRB-5ª Região) e  instituições públicas e privadas.

Fonte: A TARDE, acesso em 24.10.2016, às 22:26hs